quarta-feira, 16 de maio de 2012

Insólito – Microalucinações


Inspire. E no segundo seguinte, ao expirar, nada será como era.

Autor: Paulo Fodra
Edição: Wilson Gorj
Revisão: Bel Ribeiro
Capa e Diagramação: Guilherme Peres
Editora Multifoco




É claro que ao ter em mãos um livro curto cuja sinopse sugere que ali se encontram pequenos textos, já se sabe que a leitura será dinâmica. Mas preciso confessar que essa se fez em menos de quarenta minutos. Bom, eu não cronometrei, mas foi isso que me pareceu.
E também não, eu não fiz leitura dinâmica e nem seria necessário, pois os microcontos, do autor Paulo Fodra, são como jujubas (é... eu gosto de alusões). Aquelas balinhas coloridas e de sabores diferentes que te fazem não sossegar até que todas acabem?
Alguns contos são bem azedos, outros são doces e sublimes, alguns inusitados que demorei um pouco mais para apreciar e compreender, pois mesmo curtos são tão complexos e paramentados que o olhar para eles precisa ser treinado. Há ainda aqueles que, apenas com a palavra final, lhe tiram do óbvio e do comum. Nesse é como se viesse escrito de branco no branco, assim invisível "Peguei você!"
Mas afinal, do que ele fala?
Os temas abordados por Fodra são inúmeros, tem um banquete de frases carnavalescas, suicídios, assassinos psicopatas, criaturas fantásticas, amor e... Eu acho que ele gosta de gatos.
Outra coisa interessante é que os textos são livres para fazer você rir, sentir náuseas, constatar verdades como fábulas ou simplesmente registrar essas passagens "alucinógenas" criadas pelo autor.
O projeto gráfico apesar de bem simples cumpre a função nas páginas do miolo. A numeração grande e o cabeçalho de mesmo padrão, dão um ar bastante concreto e limpo, como uma propaganda cujo nome precisa ser gravado. Assim, sendo muito simples, cumpri seu papel visual e informativo com um toque de criatividade e deixando tudo limpo para o que importa: o texto.
A capa é bastante curiosa (não achei outra palavra), ela não me disse nada sobre a obra, então fiquei pensando: "oras, mas sobre o que ela me falaria?". Não da para resumir (ou sugerir) a obra em uma imagem, pois não há uma linha de raciocínio, temática ou intenção. O texto simplesmente está ai. E pronto. Talvez como a marca da palma da mão? Um registro que se mostra sem pormenores, de maneira eficiente e objetiva. É claro que poderia haver algo mais bonito, mas também a beleza das linhas de Paulo seguem por outra vertente.
Suas imagens, apesar de desprovidas propositalmente de enfeites e arabescos literários, são grandiosas, concretas, na maioria das vezes fortes e cheias de veracidade (ou seria ferocidade?), criando realmente essa vontade de ler um atrás do outro.
O que também é uma boa pedida é reler o livro. Depois de lê-lo por completo, você pode voltar a ele e degustar esse ou aquele relato que lhe chamou atenção, e revisitar o livro inúmeras vezes.
Mas então, porque microalucinações?
Ao menos nesse livro, e resalvando uma ou outra crítica, Paulo Fodra parece mais disposto a surpreender do que ditar verdades ou nos impor seu modo de pensar.
Assim, o que parece realmente valer para o autor, é esse flerte incontestável e frequente com o inusitado, que hora, de inicialmente tão absurdo, parece também como uma paixão e entrega ao que é improvável, louco, destemido, inovador.
Alguns ainda, me parecem como um curto pesadelo quando se tem em um breve cochilo. Acorda-se sobressaltado e com aquela sensação latente em imagens. 
Para ser clara, vejo as estruturas bem lapidadas (daí sendo paramentados com o que é inovador), porém sem palavras complicadas e figuras de linguagem excessivas, mas ainda, muito bem polidas, enxutas.

É uma leitura muito prazerosa, e um livro que vale a pena ter em casa.
No site do autor você descobre onde comprar e confere outras resenhas do livro. Além do mais, eu me segurei toda a resenha para não colocar aqui uma amostra do livro. Mas, se quiser ter esse gostinho, no link abaixo você também os escontrará, além da biografia do autor e links de outras resenhas.

Paulo, também participou da coletanea steampunk da Ed. Estronho "Deus Ex Machina", resenhada aqui no blog.

E para você, leitor, muitas alucinações.





4 comentários:

  1. Esse livro é muito bom! =) Gostei da resenha e agora quero jujuba =x

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Celly. E desculpe fazer você passar vontade. Pede para o Marcelo rs ;)

      Excluir
  2. Muito obrigado pelas belas palavras, Carol! Fico muito feliz que você tenha gostado do livro! ;)

    ResponderExcluir
  3. Por nada! Eu adorei! E não vejo a hora de resenhar outro livro seu ;)

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...