EXTRANEUS VOL. 2 – Quase Inocentes

    
    Perto de Extraneus Vol. 1 – Medieval e Sci-Fi (o livro responsável por me fazer apreciar ficção cientifica) não achei inicialmente a temática tão estranha ou inovadora, mas ao Estronho e a tantos nomes de peso dentro da antologia é sempre bom dar crédito. E este por sua vez, foi muito bem recompensando.
     A capa que lembra desenho de lousa (quadro negro) é realmente uma graça – sem falar no bóton, mas isso é outra historia. O livro tem as divisões dos contos em papel preto com um capricho especial. E as folhas são mais amarelinhas e grossas, de boa textura.
     Ao ler o prefácio de Martha Argel me perguntei: “Então será que por aqui tem novidade mesmo?” Pois é. Tem.
     A primeira história “Dentinho” da grande Georgette Silen, tem a dose exata de tensão e suspense, e de dissimulação e frieza da personagem principal.Uma garota anjinho que abre muito bem a antologia.
     O segundo conto “Criança Noturna” trás outro titan da literatura fantástica. Giulia Moon nos da uma história no seu poderoso estilo vampiresco – se você leu Kaori-Perfume de Vampira, sabe do que eu estou falando.
     Para continuar em pleno vapor, M.D.Amado nos traz “Corações Negros” cuja receita consiste em meninas más e perturbadas, seqüências cortadas como um quebra cabeça e uma maldição (entenda por receita um conjunto de idéias muito bem misturadas e não apenas uma fórmula). O tempero é o toque inesperado sempre presente em sua escrita.
    “Vestido Cor-de-rosa” de Camila Fernandes é diferente de qualquer coisa que pensei encontrar após esses contos fantásticos. Crítica social, ambientação nos marginalizadas. Cheia de poesia. Uma história que me emocionou por completo.
    “A Revelação Kynga” de André Bozzeto Jr. ganha o leitor pelo suspense. A história em si e as loucuras de seus personagens revelam o mistério de um modo caótico e incrível. E não falta sangue e cenas horripilantes para ganhar a imaginação.
     Luciana Fátima, fez uma história fantástica, ilusória, urbana, sombria e noturna. “Guardian Angel” é feito por cenas cortadas, todas muito fortes. Li duas vezes para ter a certeza de não ter perdido nada. Me deixou com a sensação de queixo caído.
     Então, no conto “Presente de Berenice” (que já me remeteu a uma de minhas histórias favoritas de Poe só pelo título) surge outro titan, Adriano Siqueira. Uma história surpreendente por sua simplicidade e ao mesmo tempo, ousadia. É de chorar de rir. Eu faria um curta em desenho animado desse conto com certeza. Fica a dica.
     Lucas Rezc , com seu conto “Loucos, Ocos, Passos de Sopros” me conquistou por dois motivos: O primeiro e muito particular é que tenho grande apresso por histórias que se passam em pleno mar. O segundo motivo é que seu conto tem aquele jeito particular de se assemelhar a uma lenda da qual nunca se ouviu falar até então, junto com uma loucura quase etérea que acontece aos personagens de Poe. Parece aquele tipo de história que se conta em volta da fogueira.
     “O Grande Estopim para a Vida Criminosa de Alice Carmosim” de Luísa Vianna, tem esse titulo que me lembrou filmes de mafiosos, ou de bandidos e detetives nos anos trinta. Mas a história realmente é o que o título diz, o que deu início à vida criminosa da personagem. De todos os contos á que tem o personagem mais cruel, frio e mimado. Psicopata por psicopata. Seja de nascença ou pelo trauma vivenciado.
     “Brincadeiras de Criança” de Juliano Sasseron, nos leva para dentro do personagem com força e intimismo. Difícil não se apegar. Aqui as emoções são todas levadas ao extremo e à inconseqüência infantil. Uma história muito real.
     Saindo totalmente de qualquer possibilidade de padrão, “Os Servos de Thoth” de Ana Lúcia Merege, é a história mais bizarra do livro. E aqui a palavra “bizarra” é empregada em ótimo sentido. Ela se passa na época dos faraós e tem tudo de excêntrico: a época, a descrição do local, os personagens e seus nomes. É uma aventura cruel e cheia de aventura.
    Celly Monteiro em “O Poço das Harpias” também me lembrou Poe na primeira metade do conto em que há aquela sensação de se ter um pesadelo acordado, presente nos bons filmes de horror também. A segunda metade já é inacreditável. Até podemos dizer, grotesca. Tão fantástica que para ler o próximo conto é necessário parar para respirar. E sim, as harpias aparecem, não é metafórico. (Opa. Será que eu deveria ter contado?).
    “Reversões” tem um cenário incrível e uma receita muito boa também. Crianças muito cruéis, uma cidadezinha do interior e gatos. Um conto muito bem escrito onde Andrés Carreiro Fumega da o recado com maestria.
    O penúltimo conto “Duas crianças, Duas Chaves” de Felipe Pierantoni nos leva à lugar e tempo perdidos. Porém para dentro de algo que o mundo conhece muito bem: A guerra. Uma história que leva você a ler até o fim e de uma única vez na busca do desfecho.
    O último conto é da escritora e também amiga Suzy M. Hekamiah. “Caindo no Despertar” é de um encanto singular. Seus personagens, o cenário, cada momento tem aquela beleza melancólica. Aquele jeito especial de tornar cada cena palpável. Um clima frio, mistério e infinito, acho que é uma das formas mais apropriadas de tentar falar sobre esse conto.
    Assim, fica claro que o livro feito em parceria da Editora Literata e do (até então) Selo Estronho, é uma ótima leitura e uma necessária aquisição, pois pode ter certeza, você irá querer lê-lo novamente.
    Maiores informações e aquisição: Editora Estronho - Série Extraneus

Nota 01: Em breve falo sobre o lançamento.
Nota 02: Preciso escrever sobre o volume 1 que é simplesmente fantástico.

Comentários

  1. Já estava na minha lista de: "Adquirir o quanto antes". Agora está na "Adquirir para ontem".

    ResponderExcluir
  2. Wua, que super resenha, adorei! Super ansiosa para ler os outros contos agora!

    ResponderExcluir
  3. Agora eu quero demais esse livro, to super ansiosa pra ler depois dessa resenha, adoro histórias de crianças malvadas, muito legal Carol, vou ficar de olho em outras resenhas que tu escrever ;-)

    Bjoss

    ResponderExcluir
  4. Muito obrigado, mocinha! Adorei a resenha =)

    Beijos horripilantes!

    ResponderExcluir
  5. Carolina. Muito obrigado pelas palavras e realmente imaginei um desenho estilo don Drácula para está minha história e que bom ler suas palavras sobre todo o livro. você escreve com emoção e admirei muito este seu trabalho neste blog.
    Obrigado sempre moça :-)

    ResponderExcluir
  6. Lendo a resenha ..livro nervoso esse....
    que são harpias?

    ResponderExcluir
  7. Gosto desse blog..fiquei conehcendo porque alguém tuitou esta resenha...bacna...^^ vou acompanhar..saúde e sorte!

    ResponderExcluir
  8. Li vários já. Gostei em especial de Vestido Cor-de-rosa, Servos de Toth e A Revelação Kyngá. Não estou lendo linearmente, mas a esmo, e acredito que logo essa minha pequena lista aumentará.

    A capa está linda. Gostaria que o 3º volume, "Em nome de Deus", tivesse uma capa tão caprichada. Destoou das demais na minha opinião. Quanto ao miolo, o tipo de papel escolhido e as páginas pretas com desenhos de giz valorizaram o livro tanto tátil quanto visualmente.

    É realmente uma pena que a literatura fantástica no Brasil não ganhe maior divulgação, seja por parte das editoras, seja por parte dos próprios leitores.

    Parece-me existir um certo preconceito com as coisas que são daqui. Valorizamos demais o que vem de fora, e há escritores realmente bons pra se ler por cá. Passou da hora de descobrirmos os nossos próprios talentos!

    ResponderExcluir
  9. Obrigada pela resenha, Carolina. Pois é, não costumo escrever "bizarrices", mas quando escrevo até que me saio bem... né?

    Passo a te seguir. Beijos e sucesso!

    Ana

    ResponderExcluir
  10. Primeiro, obrigada pelos comentários.
    Então, Raissa, Harpias são criaturas da mitologia grega com tronco e rosto de mulher, com pernas e asas de ave. Ah, obrigada por me acompanhar, e terá novidades em breve.

    ResponderExcluir
  11. Ah Ana, saiu incrivel. Deveria fazer isso mais vezes. rs

    ResponderExcluir
  12. Ah! Tem bizarrices no site "Contos Fantásticos", aquele do Afonso. Procurem lá ou na web por "Fogo Brando" + Ana Lúcia Merege. Acho que vocês vão gostar.

    E não esqueçam de dar um pulinho no site do Castelo (castelodasaguias.blogspot.com) para contos menos bizarros, porém escritos com o mesmo capricho. ;)

    ResponderExcluir
  13. Carolina, muito obrigada pela resenha e por suas palavras sobre meu conto. Fico feliz que tenha gostado. :-)
    Beijos.

    ResponderExcluir
  14. Humm, preciso adquirir a coleção toda, isso sim! Acho que o lançamento do Vol. III será uma ótima oportunidade pra isso!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Entrevista na Editora Coerência