Reino das Névoas

Sete mundos onde a fantasia é tão bela quanto cruel.


Autora: Camila Fernandes
Capa e ilustrações: Mila F. (a autora)
Editores: Richard Diegues e Gianpaolo Celli
Revisão: Luciana Garcia
Projeto gráfico e Diagramação: Fabiana Fernandes
Tarja Editorial Ltda.





O Livro da ilustradora, revisora e contista, Camila Fernandes, tem um diferencial antes de tudo, como projeto, pois a autora foi selecionada pelo ProAc (Programa de Ação Cultural do Estado de São Paulo) através de um edital para a impressão de sua obra. Isso é claro que já é por si só um mérito, porém, quando penso na capacidade que ela demostrou para conseguir o edital com um projeto que tinha como premissa – assim imagino – falar sobre a verdade por trás dos contos de fadas, ou contos de fadas para adultos, é que também reflito sobre como ela deve ter se esforçado desde então. Mas o que vale constatar é que o prêmio foi muito bem colocado e o livro que se formou é realmente muito bom.
Falando sobre a estética do livro, desde a belíssima capa, o cuidado e o trato já se mostra aparente e de muito bom gosto. E por dentro você também encontra sete ilustrações que correspondem respectivamente a sete contos de sua autoria. Os desenhos em tons de cinza são delicados, mas de traços firmes e cheios de detalhes, e me levou até as pinturas em vitrais, tapeçarias, livros antigos e qualquer outra sensação que já contribui para a atmosfera das histórias, um tempo distante e imemorial. Não são desenhos realistas, pelo contrário, estão estilizados bem ao ponto da fantasia.
O livro também é impresso em um papel (aparentemente reciclado) de tonalidade amarelada e muito resistente. Da gosto tocar as páginas enquanto se imerge nas palavras.
Não há erros de revisão. O que também está de parabéns.
O livro saiu pela Tarja Editorial que fez um trabalho excelente na diagramação que ficou simples, funcional e muito bela.
Agora, vamos às escritas.
O livro traz na sinopse contos de fadas cheios de verdades, crueldade, violência e erotismo, características que foram banidas das histórias originalmente. E a Camila cumpriu o que prometeu de um modo diferente do que eu esperei.
Por essa chamada eu imaginava algo que caminhasse muito mais pelo soturno do que pela fantasia, e eu me enganei, e gostei disso ter acontecido. A autora conseguiu trazer à tona tudo que prometera sem romper com a beleza, a magia etérea na qual os contos de fadas se tornaram para nós hoje como referência.
Pensando então sobre eles, acredito haver três tipos de contos – ao meu ver – pelos quais ela nos guia.
Há histórias em que tudo é totalmente novo. Os personagens são erguidos de fontes antes nunca provadas, e as tramas ricas em detalhes e surpresas nos levam a situações sublimes e vencedoras, mesmo que através de caminhos sombrios e truculentos, e seriam “O Chifre Negro”, “A Outra Margem do Rio” e “A Espera”.
Um outro tipo de conto é uma espécie de cotidiano fantástico, onde tudo é simples, quieto, bastante melancólico e quase irônico, aqui eu encaixaria “O Lenhador e a Sombra” e “A filha do Fidalgo”, que são histórias tocantes mais pela sua parcela de realidado do que pelo encantamento ou sobrenatural.
E “A Torre Onde Ela Dorme” e “Reino das Névoas”, são incriveis, mas me deixaram em cima do muro. Gostei muito de ambos, são minuciosamente trabalhados e é impossível parar a leitura no meio, os personagens são fortes e têm as tramas mais complexas, porém, seja inspiração ou releitura, é fortemente presente a semelhança com contos de fadas conhecidos.(Isso também há no “A Filha do Fidalgo”, mas ainda assim este se encaixa melhor na separação anterior.) Talvez eu realmente não imaginasse que esse tipo de características fosse surgir no livro. O que acontece então é que lindas histórias não ficam presas em si, elas acabam nos levando para essas outras histórias conhecidas, o que é tanto repertório quando certa fuga do enredo principal.
Os sete contos, como dito, são de grande beleza. Camila Fernandes soube traçar as palavras sem adornos, sem grandes metáforas ou qualquer complicação, dando a sensação de que se pode contar e ouvi-las sem problema, pois elas envolvem pela emoção e pelas paixões.
A criatividade da autora também se revela nos males que ela trouxe para as histórias, desde estupro, até melancolia e uma necromante. Porém as cenas mais densas são rápidas, são flashes que nos assustam e só nos damos conta depois de terem partido. Outras vezes são tão cruas e verdadeiras que acabam chocando ainda mais. São fantasias muito reais.
É um livro de contos que cumpre sua principal função, quando acaba uma história lhe da vontade de correr para a próxima e devorá-lo. A leitura flui muito bem, é cheia de diferentes sensações e prazeres.
Não é o tipo de livro de terror, de grande batalhas ou carnificina. É um livro de fantasias palpáveis e que uma mente aberta facilmente assimila e mergulha. Leia. Recomendo.
“Reino das Névoas – contos de fadas para adultos” não é só um lindo livro com uma linda capa (a mais bela que vi até hoje dentro e fora da literatura nacional) como é uma ótima leitura. Um livro de conteúdo que presa o cuidado com as palavras, a sinceridade e um entretenimento que nos ensina e nos faz pensar com sutileza a cerca de vida, e com seriedade a respeito dos mitos nos quais muitas vezes nos baseamos para formar nossas personalidades mesmo sem querer.

Mais sobre o livro, ilustrações e outras resenhas você encontra aqui:

Onde comprar você também encontra no blog acima, mas eu sugiro na Loja da Estronho, onde você ganha dois marcadores de página.




Comentários

Entrevista na Editora Coerência