Outra paixão. Dessas sem motivo. Vivendo Amanaci.




São curiosos, e nenhum é melhor do que o outro, os motivos pelos quais as pessoas escolhem falar de diferentes temas culturais, entre eles, o do índio e/ou do nosso folclóre.

Então, só posso revelar o meu.
Não é patriotismo, e talvez parcialmente por achar que o papel do artista é também o do difundir culturas através da arte. Mas o que vale mesmo aqui, é a paixão.

Desde criança meus olhos brilhavam para tudo que era "coisa de índio". Tudo mesmo. Desde o dia do índio e ser pintada na escola, até os programas da cultura que abordavam o tema.

E, Ah! Como meu coração queria saltar quado meu avô me dizia que sua mãe era índia e que, algo em mim, o fazia lembrar dela. Mesmo eu quase loira, e mais branca que papel.

Se eu sinto muito não ter investigado essa história enquanto ele ainda vivia, hoje eu só posso imaginar.

E criar.

E surgiu Amanaci. Essa garotinha especial, filha de icamiabas, manca de uma perna e que sonha em conhecer o reino de Anhangá ainda em vida.

As postagens vão ao ar no site Quotidianos, e segunda, dia 10.08, teremos o final da primeira aventura dessa pequena.

E enquanto isso, o link das duas partes da primeira aventura.

Quando escurece o coração (parte 1)

Quando escurece o coração (parte 2)

E também, a sua apresentação ao mundo:

A promessa de Amanaci

Eu eu to feliz, assim, igual essa indiazinha aí de cima, que no final de contas, tem tudo a ver com a Amanaci.

Comentários

Entrevista na Editora Coerência